Blog Archives

Nova coluna: Música!

Estreiando a coluna musical aqui do Meca Nerd, temos Raul Ávila comentando CDs, estilo musical entre outras coisas. Aproveitem e comentem com o rapaz!

A banda foi formada em 2003 na cidade de Ocala, Flórida e vem conquistando o público com seu pop punk agressivo. Cada vez mais vem se popularizando aqui no Brasil e já é muito reconhecida internacionalmente.

Vamos começar agora o primeiro review musical do blog, sobre o último dos 4 álbuns lançados da banda A Day To Remember!

https://i1.wp.com/img837.imageshack.us/img837/338/adaytoremember2011.jpg

Da esquerda pra direita: Joshua Woodard (baixo), Neil Westfall (guitarra), Jeremy McKinonn (vocal), Alex Shellnutt (Bateria) e Kevin Skaff (Guitarra)

Continue lendo, Padawan!

Advertisements

[Review] Novos Vingadores #87 – CERCO!

vingadores87

Olá pessoal! Hoje vamos dar uma olhada no mix de Novos Vingadores, que está em sua 87ª edição. O mix contém New Avengers #62, Avengers: The Initiative #33 e Captain America #603. A edição continua a fazer parte da saga “O Cerco”, que está pertíssimo de atingir o seu clímax. É esperar pra ver onde ela nos levará.

New Avengers #62: A edição continua do ponto que parou anteriormente, onde Jessica Drew e Peter Parker, vestindo seus respectivos uniformes, são atacados por Mandril e Grifo, capangas do Capuz. O Mandril tem poderes de dominação sobre mulheres, e com isso consegue controlar a Mulher-Aranha, que parte para cima do Homem-Aranha. Peter se nega a revidar contra a amiga, e enquanto os vilões assistem, ele leva uma surra.

Imagem 1

Corte rápido. A cena muda para o antigo esconderijo dos Vingadores no Brooklin, onde os dois Capitães (Bucky & Steve) lutam contra o Laser Vivo e um esquadrão do M.A.R.T.E.L.O, quando Luke Cage entra em cena e com um golpe combinado com Bucky, derrota o Laser Vivo. Enquanto eles se reúnem, e Cage e Steve conversam, sobre quanto tempo e etcetera, quando um ponto vermelho surge no uniforme de Steve, é uma mira de uma Sniper apontada por ninguém menos que Nick Fury.

Imagem 2

Voltando para a luta dos Aranhas, Drew continua espancando Peter, enquanto ele tenta trazer ela de volta aos seus sentidos, e quando finalmente consegue, faz uma armadilha pros vilões Mandril e Grifo, que caem direitinho e são fragorosamente derrotados pelos heróis. De volta ao Brooklin, Nick Fury e seus Guerreiros Secretos se juntam a Steve, Buck e Luke Cage para enfrentar uma armada do M.A.R.T.E.L.O. Mais tarde, em outro esconderijo dos Vingadores, todos se reúnem e têm aquele momento de confraternização, pois ninguém tinha visto o antigo Capitão América aparecer denovo, porém, são interrompidos por um jornal que passa na TV, mostrando o ataque de Norman Osborn a Asgard e que Thor foi derrotado. Tomando a frente, Steve convoca todos a lutar e Avante, Vingadores!

Imagem 3

Opinião:Novos Vingadores é sempre diversão.  Como essa revista é uma das mais importantes da Marvel, eles sempre colocam um desenhista eficiente, neste caso Stuart Immonen, e um bom roteirista, no caso Brian Bendis, um dos maiores criadores da Marvel atualmente. Essa edição traz combates e diálogos fluidos, está tudo lá, só que a edição não conclui muita coisa, a trama de Bendis anda meio devagar.  A edição não tem nada de muito importante, exceto o final dos heróis se reunindo para ir á Asgard. Merece um 7 honesto, não traz muito ao leitor, porém é uma boa edição.

Avengers: The Initiative #33: A história começa com um flashback de Donyell Taylor,o Radical, lembrando de uma briga dele e de seu irmão Dwayne, o antigo Radical. Voltando ao presente, Donyell encara o túmulo de Dwayne, num dilema, pois Osborn ofereceu ressuscitar seu irmão se ele traísse seus amigos.

Imagem 4

No Campo Martelo, os heróis da Resistência dos Vingadores atacam, enquanto Capuz passa ordens ao seu subordinado, Punho de Lâmina, de não deixar Suplício sair do subsolo, onde ele está trancado sob guarda armada e sabe como reagir ao ataque. Enquanto isso, Norman e o Treinador olham para um Thor derrotado, atirado no chão, enquanto Norman humilha o Treinador e corre com ele do lugar, mandando que ele vá a Asgard e faça o que tem que ser feito.

Imagem 5

O Treinador então, segue para Asgard, entrando em combate com dois dos Três Guerreiros, enquanto se dá conta de que sim, Osborn finalmente perdeu o controle e não tem plano nenhum. No meio de tudo isso, Cristal está em choque, pois quando Osborn xingou o Treinador, ele pediu que ela ficasse, a garota porém, se mantém assustada, pois ela é agente dupla e tem medo que esta máscara caia. De repente, um jipe surge no horizonte e é Maria Hill, com uma bazuca e pronta para resgatar o Deus do Trovão.

Imagem 6

Alheio a esses acontecimentos, Constritor, namorado de Cristal, rapta ela antes que tudo exploda, e pede para que ela tenha cuidado e fique fora disso, pois o nível de poder de todos ali é muito mais alto que o dela… Nem tanto. O casal testemunha a luta Ares/Osborn/Sentinela e também vê a forma sanguinária como a luta acaba (vide “O Cerco” #2), enquanto o Treinador tenta chamar a atenção do Patriota de Ferro para a cidade, e tem sucesso, quando Osborn é atingido por um famoso escudo. No Campo Martelo, a invasão pela Resistência dos Vingadores segue desenfreada, enquanto os jovens heróis são surpreendidos pelo Capuz, que porém, é atacado rapidamente pela Tigresa. Usando isso como desculpa, o Capuz dá um ultimato a Donyell. Quer seu irmão de volta? Terá que matar a Tigresa. Nesse ponto, a história nos deixa com um “Continua…”

Opinião: Em minha humilde opinião, essa parte do mix tem sido a minha preferida desde o mês passado, quando entrou pra revista. Christos Gage constrói uma trama bem elaborada e sólida, cheia de ação e sempre com boas reviravoltas, com destaque para vários personagens de segundo e terceiro escalão, e pra participação do Treinador, que é um ótimo personagem na revista. O desenho de Jorge Molina não é lá um primor, mas serve e dá pro gasto. Podia ser um desenhista de maior expressão, porém, Jorge Molina não decepciona. Iniciativa vale a pena. Um 8 é válido para esta edição, recomendo.

Captain America #603: Começamos a história com o William Burnside, o Capitão América falso, relembrando de como eram as coisas na época Grande Depressão, do Presidente Eisenhower e de seus ideais, e de como as coisas mudaram dos anos 50 para hoje em dia. Ele é interrompido por dois de seus guardas que relatam para ele sobre um cara que eles envolveram no treinamento básico, Bucky, que tenta se infiltrar. Burnside manda trazer ele junto com os outros recrutas. A cena corta para a noite, onde o Falcão e Bucky, já trajado de Capitão América, atacam um esquadrão das tropas de Burnside, e após uma grande luta sem dificuldades para os dois, eles descobrem que o caminhão não contém o que procuravam.

Imagem 7              

Eles concluem que o grupo que atacaram era um grupo de reconhecimento, provavelmente fazendo observação numa base militar que há próxima. No dia seguinte, Bucky começa o treinamento rígido para ingressar nos Cães de Guarda, e a noite resolve atacar a cabana de Burnside. Sorrateiramente ele anda em direção a cabana, e quando ataca o vulto que aparenta ser Burnside, surpresa! Era apenas um soldado comum vestindo o uniforme, enquanto o Capitão falso atacava o Falcão! Bucky caiu na armadilha, e enquanto isso, Sam é abordado por um pequeno esquadrão dos Cães de
Guarda e pelo próprio William Burnside! Sam até tenta fugir, porém ele é acertado com o escudo do Capitão, e cai, tendo seu equipamento de vôo retirado e sendo preso. Com isso, acaba CA #603.

Opinião: Capitão América é uma ótima revista, porém, pra ler Capitão, tem que ter um bom conhecimento das tramas anteriores, e, além disso, às vezes o leitor se depara com algumas situações difíceis de engolir, como foi o retorno de Steve Rogers, ou a história do Caveira Vermelha estar na consciência de Aleksander Lukin. Porém, Assim que o leitor pega o ritmo da revista, é só ganho. A trama algumas vezes pode ser difícil de entender, porém é bem elaborada, e os desenhos de Luke Ross estão a altura de um título como esse. A Panini fez um belo trabalho nessa revista, com uma bonita página introdutória e mostrando a capa original. Nota 7.

Em suma, este número de Novos Vingadores vale a compra, ele está recheado de ação e dá uma boa continuidade as tramas vistas antes, altamente recomendado. Com a saga “O Cerco” chegando ao fim, o mix vai mudar, até porque Initiative só vai até a edição #35, mas vejo um bom futuro. Como eu disse antes, a edição vale cada centavo e merece atenção. Novos Vingadores #87 tem 75 páginas, custa R$ 6,50 e está em bancas de todo o Brasil.

[REVIEW] Batman #101 – Fim Da Linha Para o CHARADA?

BATMAN-101mini

Começo. Os Graysons Voadores estão praticando mais uma manobra, Grayson pai, mãe e o pequeno Dick. Os três conversam sobre como Dick é confiante no ar, quando de repente, Grayson mãe se transforma na Mulher-Gato. A Mulher-Gato provoca Dick, e quando ela o lança pro Grayson pai, ele se transforma em Jason Todd. Dick começa a gritar e espernear, quando a Mulher-Gato vira Bárbara Gordon, e Jason vira o esqueleto do Batman, que dessa vez, não segura Dick, deixando com que ele caia no infinito. Corte rápido. Dick acorda gritando em sua cama. Foi só um pesadelo.

Com essa sequência inicial que começa Batman 101, que promete resolver os desdobramentos  de uma das edições anteriores, onde o Charada foi atingido por uma explosão e não foi mais visto. Será que ele voltou a seu antigo eu? É o que veremos.
A edição contém as edições originais americanas Batman #698-699 e Streets Of Gotham #7.

Batman #698: A trama desta edição gira em torno de assassinatos que estão acontecendo em Gotham. Os crimes para parecer que foram de autoria de outra pessoa, como por exemplo, pessoas completamente retalhadas como que se fosse Zsasz que tivesse matado, congelados como se fosse o Senhor Frio e assim por diante. Em todas as cenas do crime, o Batman chega tarde demais, e logo
depois dele, entra o Charada com frases enigmáticas e meias-verdades.

O Batman investiga tudo com auxílio do Comissário Gordon. Em uma das cenas do crime, Edward Nigma entrega para Grayson fotos, que ele acaba investigando e descobrindo que o possível assassino seria Sebastian Blackspell.

batman-698-page-06-color

Conforme Batman se dirige para a casa de Blackspell, o alvo do assassino dessa vez é o próprio Nigma, que é atacado por Blackspell com o Veneno do Coringa. Blackspell foge e encontra a Charada vivo, mas com a face presa num riso graças ao veneno. Nesse ponto que Batman #698 nos deixa.

scan0003ye

Batman #699: A história começa já no Hospital de Gotham, nos mostrando o Charada deitado com o rosto ainda trancado por ter sido alvo de como o próprio Batman diz, “uma imitação barata do Veneno do Coringa.”

batman699art1

Seguindo uma das pistas da edição passada, Batman resolve fazer uma visitinha a um certo interno do Asilo Arkham, Garfield Lynns, o Vaga-lume. Após uma interrogação nada amigável (perdão da piada, haha), Dick descobre que Blackspell está assassinando por causa de um antigo pacto entre alguns vilões para tirar dinheiro de chefões da máfia de Gotham. Após esse interrogatório, Grayson se dirige a cobertura de Sebastian Blackspell, tentando extrair novamente alguma coisa que possa ter passado despercebida. No Hospital da cidade, Nigma já apresenta sinais de melhora, devido a isso, o Comissário deixa um de seus homens de confiança guardando a porta do quarto. Enquanto Batman investiga um material que encontrou na cena do crime onde o Charada foi atacado, Nigma é raptado pelo próprio Sebastian Blackspell. No momento em que Batman descobre que ele foi seqüestrado, ele vê uma pista para a localização de Nigma. Seguindo essa pista, ele encontra Blackspell ameaçando o Charada a transformar-lo numa árvore, (isso mesmo, é verdade), atirando o mesmo num caldeirão com um líquido que o transformaria numa árvore.

Conforme uma pequena luta se desenvolve, o caldeirão é derrubado e a “poção” cai em cima de Blackspell, enquanto o Batman acusa Nigma de estar por trás de tudo isso e pergunta para quem ele trabalha. Porém, Blackspell começa a crescer e ataca Dick Grayson. Enquanto a luta se desenrola, Nigma foge, e após dominar Blackspell, o mágico-árvore (novamente, com o perdão da piada, haha), Batman vai até o escritório do Charada e percebe que Nigma desapareceu sem deixar rastro, mas fazendo a promessa de encontrá-lo e interrogá-lo devidamente ainda.

https://i2.wp.com/www.comiccity.com.br/wp-content/uploads/2011/05/1235504-blackspell_large.jpg

Opinião: Nesta edição, não temos como reclamar da arte, pois Guillem March é um excelente desenhista, com um traço firme e bem desenhado, que ilustra Gotham como ela deve ser. Tony Daniel não tem o seu forte nos roteiros, em minha opinião ele é (bem) melhor como desenhista do que roteirista, mas nessas edições ele consegue fazer uma história divertida, do estilo mais clássico Batman detetive. Claro, a trama não é elaboradíssima e nem complicada, mas enterte. A arte é o que mais vale, os roteiros de Daniel são bons até, mas o que conta mesmo na edição é o trabalho de Guillem March que desenha demais, eu já vinha reparando na arte do cara há um tempinho e ele tem talento.
É na #699 edição que a história desenrola pra valer, e tenho que dar um ponto pro Tony Daniel, é uma história “feijão-com-arroz” sendo honesto, mas diverte e dá uma continuidade pro Charada, que andava meio sumido. É como eu havia mencionado, ele é melhor desenhista que roteirista, mas acho que quando ele fica em cargo só de um ou só de outro, as coisas fluem melhor. Só não me convenceu a história de “transformo em arvore, rá”, mas a história foi bem escrita, o Charada foi mais inteligente que todos. Novamente, o desenho soberbo somados com um roteiro bom é mais do que justo pra comprar a edição. Uma nota 7,0 é bem justa.

——————————————————————————————

Streets Of Gotham #7:  Ruas de Gotham tem sempre trazido boas histórias, principalmente por elas muitas vezes se interligarem pouco ou nada com outras histórias. Com os roteiros de Paul Dini e os desenhos de Dustin Nguyen, a história acontece no gélido e rigoroso inverno de Gotham City, com Batman & Robin salvando um casal de policiais de um acidente de carro, que de acordo com a policial foi causado pelo próprio Papai Noel, que ainda por cima roubou os brinquedos que eles levavam para doar pras crianças. A dupla dinâmica segue pela cidade atrás de pistas do roubo, e aqui eu tenho que dar um mérito para Paul Dini, pois ele se sai muito bem nos diálogos, principalmente nos de Dick com Damian, que são muito engraçados. A história corta para Humpty Dumpty consertando seu carro e comentando sozinho que estragou o seu carro e o carro da polícia, enquanto ele é abordado por um estranho, mas sem pensar duas vezes, ele acerta o estranho com um pé de cabra e foge. Quando ele entra em seu refúgio, ele começa a conversar com crianças, dando presente pra elas e etcetera. O que nos leva a crer que o vilão se regenerou.

Quando a dupla dinâmica aborda Humpty, Robin repara apenas em uma coisa… todas as crianças estão MORTAS. Enfurecido, Damian parte pra cima de Humpty. Contido por Batman, Damian faz jura de que vai fazer o monstro que matou essas crianças pagar muito caro .

   StreetsofGotham7pg12

Humpty explica para a dupla que encontrou essas crianças no rio, e que de onde veio uma começaram a aparecer várias. A história corta para uma igreja, em que aquele mesmo estranho que abordou as crianças está absorto em seus pensamentos e adentra a igreja seguido de uma freira. A freira entra na igreja e não vê mais o estranho e então segue seu caminho, entrando no quarto de uma criança, Colin, e pergunta para Colin sobre o tal estranho, que no fim ninguém viu. A freira se reúne com as irmãs e a cena corta. Várias crianças presas dentro de jaulas comunitárias, enquanto uma delas é tirada violentamente de dentro e levada para uma arena, onde se encontra um adolescente com as mãos sujas de sangue.

Podemos ver vários apostadores sedentos de sangue, enquanto um indivíduo dá as seguintes regras para as crianças:
“O vencedor da primeira luta enfrenta o recém-chegado. Quem vencer essa luta segue para o combate final. Quem vencer o combate final ganha a liberdade… só que o combate final será contra mim.”
E quem que se revela o homem? Zsasz em pessoa, de terno e pronto para assistir o combate dos pré-adolescentes.

                    StreetsofGotham7pg21

Opinião: Bom, Ruas de Gotham é sempre divertida, pois não necessita de muito conhecimento cronológico para entender. Os roteiristas vêm tratando o personagem de Zsasz desde o #1, mas ainda assim, tu pode ler qualquer edição que tem entendimento completo e uma boa leitura. Paul Dini é um gênio dos diálogos e domina com maestria os que se passam entre a Dupla Dinâmica, meu favorito foi o que o Damian diz que ganha jatos ou ilhas de Natal. A história não chega a ser um clássico, com certeza, mas o “Continua…” no final merece atenção, essa série ainda vai longe. Os desenhos de Nguyen não são meus favoritos, mas funcionam pro clima urbano de Gotham, pelo menos até então eles tem se mostrado bem satisfatórios. Eu dou um 7 pra Streets of Gotham #7, é uma história acima da média e assim como Batman 101 no geral, vale o preço.